terça-feira, 31 de março de 2009

Playing games


O almoço estava combinado há semanas, mas à última da hora não me consegui livrar de uma situação urgente. Enviei-te um sms, dizendo que chegaria cerca de 15 minutos atrasada. Não respondeste. Já te disse o quanto detesto que o faças? Provavelmente sim…

Os 15 minutos acabaram por se tornar em quase 40. Parte de mim receava que a tua reacção fosse ir embora, mas a outra parte confiava que não o farias.

Quando cheguei não te vi de imediato, julguei o pior… não sei dizer o alívio que senti quando finalmente te percebi numa das mesas perto da janela. Quase corri para ti. Armei-me com o meu melhor sorriso e um pedido de desculpas, mas mal me olhaste quando cheguei.

Vestias uma camisa clara que contrastava com a tua pele morena. Perdi-me nos teus olhos, verdes àquela luz suave que entrava cortada pelo bambu que nos ocultava de quem passeava lá fora, nos terraços.
Comecei a tentar explicar o que acontecera, mas acabei por me calar. O teu olhar não largara o copo de martini que agitavas na mão.

“- Pedi explicações?” – disseste finalmente.
- Não, mas…
“- Então cala-te! Falas quando eu disser para o fazeres. Vamos pedir. O que te apetece?”
- Qualquer coisa… escolhe tu. Não estou com grande apetite…

Chamaste o empregado e pediste umas entradas, mas escolheste logo o prato principal, alertando-o para não demorar em o trazer, mal terminássemos as entradas.
“- Vais à casa de banho e esperas lá por mim. Vai. Agora”

O jogo tinha começado uma vez mais.

A ansiedade e a excitação tomavam já conta de mim.

As casas de banho masculinas e femininas eram antecedidas por um hall comum, com uma bancada que suportava diversos lavatórios e um espelho corrido que ocupava completamente uma das paredes. Esperei aí.

Entrou uma senhora e fingi olhar o espelho como que a retocar a maquilhagem. Ela dirigiu-se a uma das cabines e foi nesta altura que entraste.

Dirigiste-te a mim e voltaste-me de costas, de frente para o espelho. Um dos braços segurando-me pela linha dos ombros, contra ti. Sem pudor a mão que tinhas livre levantou-me o vestido expondo-me perante o espelho. Não usava cuequinhas… sabia que nestes encontros, era assim que me querias. Receava que entrasse alguém, mas não me atrevi a dizer nada.

Deixaste que o vestido caísse e me ocultasse, no preciso momento em que a tal senhora saiu da cabine. Suspirei de alívio. Ela olhou-nos de forma estranha e apressou-se a sair dali.

“-Levanta o vestido.”
Obedeci, expondo uma vez mais perante espelho o meu corpo nu. Com o toque dos teus dedos provocaste um arrepio que percorreu todo o meu corpo.

Levaste uma mão ao bolso do casaco, que entretanto vestiras, e de lá tiraste um brinquedo…
Tratava-se de uma espécie de ovo vibratório. Levaste-o à minha boca e de imediato o lambi, humedecendo-o com a minha saliva.
As minhas mão seguravam ainda o vestido. A porta que dava acesso à saída abriu-se e deixei-o cair, ajeitando-o, disfarçando atrapalhadamente… senti-me mudar de cor.

Mas o senhor que entrou, nem pareceu reparar em nós, dirigindo-se aos lavabos masculinos.

“- Disse-te para largares? – murmuraste
- Não, mas…
“- Shiu! Coloca-te como mandei”
Voltei a levantar o vestido, e com mais força que a necessária, introduziste o ovo na minha cona, que denunciava já o quanto estava excitada. Sufoquei um gemido.

Segurando-me por um braço, levaste-me para a entrada de uma das cabines e entraste comigo. Aí encostaste-me à parede e levantaste-me o vestido. Os teus dedos procuravam agora outra abertura.

- Não… - disse baixinho - por favor… aqui não…
A tua mão tapou-me a boca, quando os teus dedos encontraram o que procuravas, e me penetraste com um deles. Teria gritado certamente, com a dor que provocaste, não fora a tua mão que me impedia de o fazer.

Encostaste-me a mim, e podia sentir mesmo sobre os jeans que usavas, a tua erecção.
“- Vês com me deixas? Desobedeces-me, fazes-me esperar, e ainda assim te desejo tanto… que chega a doer. Devia castigar-te. Tens de aprender a cumprir horários e a fazer o que te mando.”
- Então... castiga-me... - murmurei provocadora.

“Vamos voltar para a mesa. Vai.”

Saí à tua frente e sentei-me devagar. Inebriava-me a excitação que toda aquela situação me causava…

Continua

32 comentários:

Paulo disse...

Recordar dá-me quase tanta tesão como quando me serves...

Seline disse...

Paulo... sabes o quanto adoro brincar contigo...
Deixas-me sempre com vontade de mais...
Beijo-te... intensamente

No Devil disse...

Escusado será dizer que vais passar a chegar atrasada a todos os encontros :))

Como sempre aguardo ansioso pela continuação :P

Beijo

Seline disse...

Lol, não por culpa minha.
Acusam-me de ter a mania da pontualidade... ;)
Mas aconteceu... e adoro provocá-lo...
Em breve :)
Beijo

No Devil disse...

E talvez tb gostes de ser castigada :))

Beijo

Seline disse...

No Devil,
Há castigos que não o são...
E sim, adoro os castigos dele, porque mais não são que novas formas de prazer.
Beijo

No Devil disse...

Castigo ??? eu disse castigo ?? lolol

Castigo é não ter prazer como o que vcs conseguem alcançar...

Beijo

Seline disse...

Sabes, não poderia estar mais de acordo ;)
Beijo

Blue disse...

Aiiiiiiiiiiii...que bom!
Hummmmm...
;)
Aguardo a continuação...

kiss

nunix1979 disse...

hehe vês o q ganahs por ser mázinha!
;)
kiss

Seline disse...

Não vai demorar Blue ;)
Beijo linda

Seline disse...

Nunix,
Andamos a subverter o sistema ;)
Castigos com sabor a recompensa...
Beijo

Aqui - Ali - Acolá disse...

Seline:

Obrigatoriamente da tua parte espero a continuação deste momento ok?

É do melhor aqui este teu cantinho tão fantástico mulher sem preconceitos.

Eu dou o meu elan à tua perseverança, e como tal, nota 20 que é o máximo.

Bjinhos dia feliz

Seline disse...

Aqui-Ali-Acolá,
Fica prometido ;)
Uma vez mais fico sem palavras perante tais elogios.
Obrigado.
Um dia lindo para uma pessoa linda!
Beijo

O Principe disse...

Bem... ora aqui está um canto muito quente! Aguarda-se a continuação!

Beijos Principescos!

Sacerdotisa disse...

Ah... Seline...

Preciso ser castigada assim... urgentemente!

A.S. disse...

Ah!... Seline!

Aguardo ansioso a continuação!


Beijos...

Seline disse...

Para breve caro Príncipe.
Beijo meu

Seline disse...

Sacerdotisa...
Doce é castigo... assim como o é o pecado.
Beijo

Seline disse...

Querido A.S.
Poeta... não vai tardar.
Beijo

Blue disse...

Uauuuuuuuu! Quanta fome............. Bjs

Seline disse...

Sê bem vinda Blue.
Subscrevo... mas não de comida ;)
Beijo

T disse...

Querida Seline
Castigos destes é que se querem :P
Nao nao nao...mas depois..:P

Um beijo grande
(obrigada pelo teu mimo no nosso quarto)

S disse...

Uma bela tesão, é o que é, não é minha T?
Obrigado também, Seline, pelas tuas palavras no nosso blog. Acredita que foram e são de valor e úteis.
Um beijo.

José Ramón disse...

Eu gosto desta foto felicidades por tu blog

Seline disse...

Querida T.,
São um prazer tais castigos...
Beijo grande para ti

Seline disse...

S.,
Amem-se.
É o melhor agradecimento ;)
Beijo

Seline disse...

Bienvenido José,
Gracias.
Beso

Momentos disse...

Escaldante. Aguardo a continuação para sentir nas tuas palavras o prazer que elas libertam ;)
bjo

Seline disse...

Momentos,
Bom saber que o que escrevo tem esse efeito...
Beijo

Ludmila Roumillac disse...

quero o restooooooo, adoreeei seu blog, voltarei mais, tá/

Besossss, espero a continuação... =)

Seline disse...

Seja bem vinda Ludmila,
Obrigado pelas suas palavras.
Ainda bem que você gostou.
Volte sempre, a porta está sempre aberta :)
Beijo